USP e Petrobras desenvolvem novas tecnologias para pré-sal

0
58
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

(Imagem: USP Imagens – Marcos Santos)

Pesquisadores de várias instituições se reuniram no workshop Métodos multiescala para simulação numérica de reservatórios de petróleo para apresentarem a evolução dos trabalhos desenvolvidos na área. O evento é anual e foi realizado no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos. As atividades fazem parte de um convênio entre o Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e a Petrobras. A parceria é voltada para o desenvolvimento de novos métodos computacionais para a simulação da produção de petróleo nos campos do pré-sal brasileiro.

“Nossos estudos começaram em razão de uma demanda única do Brasil. Os campos do pré-sal, diferente das outras minas brasileiras, são muito extensos. Têm de 600 km a 800 km de comprimento, entre 150 km e 200 km de largura, podendo chegar a mil metros de profundidade. Na contramão disso, o petróleo está preso em poros na escala dos mícrons (a milionésima parte do metro)”, conta o professor Fabrício Simeoni de Sousa, pesquisador do CeMEAI e coordenador do projeto, ao Jornal da USP no AR. A parceria foi instaurada em dezembro de 2016 e venceria ao fim deste ano, mas sua renovação caminha a passos largos, segundo o matemático.

Essa disparidade de proporções foi o grande desafio tanto para cientistas como para os engenheiros. Segundo Simeoni, a solução inicial foi a aplicação do método computacional multiescala. “Essa análise é diferente porque tenta capturar a heterogeneidade do meio. Assim, é possível fazer uma simulação mais precisa do escoamento do petróleo”, aponta o especialista. A Petrobras recorreu aos cientistas do ICMC, em razão da ineficiência dos softwares disponíveis no mercado.

“Então, no começo, o desenvolvimento se deu sobre conhecimentos que já existiam na literatura. Mas, depois, o grupo de pesquisa desenvolveu um novo método que foi publicado agora em 2018”, diz o professor. As pesquisas evoluíram em conjunto com professores da Unicamp e da Universidade do Texas. O diferencial da invenção do CeMEAI foi a aplicação dos processos multiescala em novas superfícies, para maior precisão. Além disso, o software é executado em uma boa velocidade em computadores de alta performance, conforme Simeoni.

Os usuários do programa são engenheiros de petróleo. A produção de combustível fóssil e a vida útil de certo reservatório dependem do posicionamento dos poços. Assim, há uma melhora nos processos de extração, de acordo com o docente. “São necessárias milhares de simulações para entender como é a estrutura geológica de um campo do pré-sal, já que a gente não consegue ter uma visão direta dessa morfologia da rocha que está armazenando o petróleo”, esclarece.

Simeoni explica que os fenômenos físicos são modelados por equações diferenciais. “Se há outras características da natureza que têm modelagens parecidas, elas também podem ser beneficiadas por modelos multiescala. É possível se aplicar essa tecnologia em outras áreas, onde há necessidade de simulações de grande porte”, expõe. As ferramentas computacionais multiescala são desenvolvidas também na Universidade do Texas, em Stanford, e na Universidade de Delft, na Holanda. No Brasil, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, avança no conhecimento do campo. (Fonte: Jornal da USP)

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui